Compartilhe:
Banner Blog Ata do FOMC e Convenção do Partido Democrata são destaques da semana (17-21/08)

Ata do FOMC e Convenção do Partido Democrata são destaques da semana (17-21/08)

Agenda política deve dominar a semana, com mais destaque para Brasil e Estados Unidos. Ata da última reunião do FOMC também merece ser acompanhada.

Ata do FOMC e Convenção do Partido Democrata são destaques da semana (17-21/08)

Agenda política deve dominar a semana, com mais destaque para Brasil e Estados Unidos. Ata da última reunião do FOMC também merece ser acompanhada.

Semana tem como principal evento a divulgação da ata da última reunião do FOMC, na qual saberemos melhor o que os diretores do Fed enxergam para a taxa de juros no médio prazo. Nas últimas declarações, foi sugerido que os efeitos da pandemia devem durar mais tempo que o previsto, o que implicaria juros mais baixos do que o mercado projeta atualmente.

Ainda no campo internacional, a Convenção do Partido Democrata ocorre na quinta-feira, evento que historicamente aumenta o engajamento da população americana com a disputa eleitoral. Com a definição de Kamala Harris como sua vice, Joe Biden busca manter a atual vantagem na corrida presidencial.

Uma nova pesquisa divulgada pela CNN mostrou que o presidente americano, Donald Trump, está se recuperando nas intenções de voto. Dentre os americanos, 46% votariam em Trump, contra 41% na pesquisa de junho, enquanto 50% votariam em Biden, contra 55% de junho.

A aprovação do governo Trump subiu de 38% em junho, para 42% em agosto, enquanto a desaprovação caiu e 57% para 54%.  Os 2 temas mais importantes para o eleitor americano, segundo a pesquisa, são a economia e a pandemia, com 47%. Em seguida, 41% apontam o debate dos planos de saúde, mesmo percentual que afirma que o controle de armas é importante para decidir seu voto.

No Brasil, a FGV traz a sondagem da indústria, quinta-feira, e teremos os dados de arrecadação de impostos de julho ao longo da semana.

Na esfera política, parlamentares devem analisar vetos importantes, como os cortes a trechos do novo marco de saneamento, além de outros que exigirão atuação do governo, como a ampliação do acesso ao BPC e ao auxílio emergencial (veto 13/2020), a proibição de reajuste para servidores e suspensão de dívidas de estados (17/2020) e o uso de recursos do fundo de reserva monetária para o combate à covid-19 (19/2020). A extensão da desoneração da folha de pagamentos também consta da previsão, mas deve ser adiada.


Armazenamos cookies em seu dispositivo para proporcionar uma melhor experiência. Ao utilizar esse site, você concorda com nossa política de privacidade