Compartilhe:
Banner Blog Bancos Centrais são protagonistas da semana 14-18/09

Bancos Centrais são protagonistas da semana 14-18/09

Semana tem as autoridades monetárias no radar. Expectativa é que as instituições se posicionem após a sinalização do Fed.

Bancos Centrais são protagonistas da semana 14-18/09

Semana tem as autoridades monetárias no radar. Expectativa é que as instituições se posicionem após a sinalização do Fed.

Os protagonistas da semana serão os bancos centrais. No Brasil, teremos na quarta-feira a decisão do Copom. Embora o mercado esteja todo aguardando uma manutenção da Selic, restam algumas dúvidas sobre as intenções da instituição para 2021.

O Fed deixou claro que aceitará uma inflação maior no médio prazo, o que praticamente acaba com as chances de alta de juros antes do final do mandato de Jerome Powell, no primeiro trimestre de 2022. Com isso, o Banco Central do Brasil tem uma trajetória mais tranquila para normalizar a Selic. Em termos práticos, isso significa que podemos demorar mais para subir os juros, pois não surgirá uma pressão externa via diferencial de juros. Fator que usualmente inibe o fluxo de recursos, o que acaba mantendo as taxas em níveis mais altos. Por tanto, caso 2021 demonstre uma atividade econômica com dificuldades, a Selic pode demorar mais para subir.

No mesmo dia, teremos nos Estados Unidos o FOMC informando a sua decisão monetária. Essa já foi bem antecipada no evento recente de Jackson Hole, então o banco central local não deve trazer grandes novidades. O máximo que pode surgir nos comunicados, são explicações mais detalhadas do que o Fed considera suportável como inflação mais alta, ou seja, quais patamares seriam considerados problemáticos a ponto de provocar uma elevação de juros.

Ainda teremos na quinta-feira o Banco do Japão e o Banco da Inglaterra realizando suas reuniões. O segundo já tinha dado indícios que realizaria novos estímulos em breve, o que deve atrair mais a atenção de investidores. Enquanto o primeiro passa por uma troca de comando no país, eventos que historicamente fazem com que banqueiros centrais não realizem mudanças em política monetária.

Armazenamos cookies em seu dispositivo para proporcionar uma melhor experiência. Ao utilizar esse site, você concorda com nossa política de privacidade