Compartilhe:
Banner Blog Vacinas avançam e indicadores melhoram

Vacinas avançam e indicadores melhoram

A semana foi positiva para os ativos de maior risco. Mesmo com a pandemia tomando proporções maiores, a corrida por uma vacina parece estar mais perto de um final feliz.

 Vacinas avançam e indicadores melhoram

A semana foi positiva para os ativos de maior risco. Mesmo com a pandemia tomando proporções maiores, a corrida por uma vacina parece estar mais perto de um final feliz. O que abriu espaço para investidores focarem em medidas econômicas.

No Brasil, tivemos avanços importantes na Reforma Tributária. Com Congresso e Executivo voltando a se comunicar bem sobre o tema. O que elevou a expectativa do mercado que alguma parte da proposta tem maior chance de ser aprovada no próximo bimestre.

A instabilidade política persiste, com investigações em torno do caso Queiroz, e de pressões externas sobre o Ministério do Meio Ambiente. Mas comparando com a magnitude de alguns meses atrás, temos que reconhecer que o quadro está melhor.

Destaque positivo no campo de indicadores para a FGV. Com dados coletados até o dia 14 de julho, a sinalização é de avanço em todos os índices de confiança. Em relação ao número final de junho, o Índice de Confiança Empresarial (ICE) cresceria 7,3 pontos, para 87,7 pontos. Já o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) subiria 4,8 pontos, para 75,9 pontos.

Destaque negativo para o IBGE e a Boa Vista. Pela Pnad, foram identificadas que 12.428 milhões de pessoas estavam desempregadas na quarta semana de junho, 675 mil a mais que na semana anterior. Já na comparação com a primeira semana de maio, o contingente de desempregados no país aumentou em cerca de 2,6 milhões de pessoas - uma alta de 26% no período em sete semanas. Um efeito claro da pandemia. Já a Boa Vista trouxe que os pedidos de falência subiram 71%, enquanto os de recuperação judicial subiram 44%.

Atravessando as fronteiras, o destaque veio do crescimento da China no segundo trimestre. O país avançou 3,2%, quando o esperado era 2,6%. No entanto, investidores não comemoraram o resultado. A composição da alta foi muito pesada em investimentos do governo e privados, enquanto o consumo ainda deixou a desejar. As pessoas não estão perto de retomar o comportamento pré-crise. Preocupação que também foi citada pelas autoridades do Reino Unido.

Também tivemos autoridades do Fed e do Banco Central Europeu falando em taxas de juros baixas até 2022, pelo menos, e que estão dispostos a agir com mais instrumentos, caso seja necessário.

Em resumo, a semana foi positiva nos mercados. Além de autoridades e indicadores, empresas farmacêuticas que correm atrás da vacina já fazem parte da agenda de investidores, e nessa semana elas deram resultados promissores.

Armazenamos cookies em seu dispositivo para proporcionar uma melhor experiência. Ao utilizar esse site, você concorda com nossa política de privacidade